Cinemaju - Sétima Arte

domingo, agosto 07, 2005


SIN CITY

Sinopse

Basin City é uma cidade habitada por policiais durões, prostitutas armadas e maníacos de todo o tipo, de esquizofrênicos a pedófilos. Lá serão contadas três histórias: a de Hartigan, um policial prestes a se aposentar, que enfrenta seu último caso — prender os sequestradores de uma garotinha; a de Marv, um beberrão bom de luta, que trilha uma vingativa caçada; e a de Dwight, um aventureiro que visa matar o namorado de sua amante.

Frank Miller e Robert Rodriguez

Aparecem creditados como diretores do filme os parceiros Frank Miller e Robert Rodriguez. O primeiro, em relação a cinema, só tem a experiência de ter escrito os roteiros de Robocop 2 e 3, verdadeiros fracassos, que o fizeram se afastar por longos anos da telona. Porém, em relação a quadrinhos, Frank Miller é considerado um dos grandes mestres e inovadores da arte. Quando o mundo dos quadrinhos andava estagnado, lá pela década de 80, ele recriou personagens como Batman, Demolidor e Elektra, dando densidade psicológica e mais emoção às suas estórias. Também foi responsável por uma das principais fases do personagem Wolverine.
O roteiro do filme é todo baseado, senão “fotografado” das histórias em quadrinhos de Sin City, revista lançada por Frank Miller, que se passa na cidade de Basin City ( a sua versão de Los Angeles), chamada de Sin por ser a cidade dos pecados. Frank criou um mundo infestado de policiais corruptos e violentos, políticos inescrupulosos, clérigo decadente, prostitutas organizadas numa verdadeira milícia armada e loucos de todo o tipo: esquizofrênicos, pedófilos, assassinos em série e antropófagos. Não há espaço para heróis, e nem heroínas. O que vemos é o típico arquétipo de anti-herói, isto é, um personagem de caráter solitário e egoísta, que tem a linha muito tênue entre o certo e o errado. As garotas, geralmente, são prostitutas lindas e sedutoras, que agem como viúvas negras, são capazes de te amar e de te matar. Os vilões são todos aqueles que conseguem ser mais cruéis que os anti-heróis.
Robert Rodriguez é um diretor já conhecido. Fez filmes como El Mariachi, um sucesso a custo baixíssimo de produção, A Balada do Pistoleiro, sua continuação, com Antonio Banderas e Salma Hayek, e fechando a trilogia, Era uma vez no México, o que teve maior publicidade, também com Banderas, e Johnny Depp. Em Um Drink no Inferno, com George Clooney, Rodriguez teve a participação como ator de seu amigo e contemporâneo, o diretor Quentin Tarantino, que inclusive chegou a dirigir um dos episódios de Sin City.
Rodriguez e Tarantino têm muitos pontos em comum em suas filmografias: o gosto pela violência, diálogos sarcásticos, respostas curtas, sequenciamento de cenas como videoclipe, e preferência por personagens estranhos, isto é, sujeitos inconstantes, com tique nervoso e gostos excêntricos (influência de David Lynch). De Um Drink no Inferno para Sin City, foi herdado o excesso de cenas saguinolentas e de violência escatológica, chegando em alguns momentos a lembrar o gênero trash.

Prêt-à-Porter

Sin City é fotografado em preto e branco. A maioria dos cenários é computadorizado e formatado com efeitos especiais. Por isso, os atores, geralmente, foram filmados em estúdios, sobre telas verdes, tudo isso supervisionado por Rodriguez, que lidera da produção à trilha sonora, e Miller. Muitas cenas foram filmadas de ângulos correspondentes aos quadrinhos da revista, gerando fidelidade ao roteiro e originalidade cinematográfica—além de ser a melhor adaptação, estabiliza uma nova maneira de criar cinema (lembra Capitão Sky e O Mundo de Amanhã).
Seguindo o mesmo panorama de filmes como O Selvagem da Motocicleta, de Francis Ford Coppola, A Lista de Schindler, de Steven Spielberg e A Vida em Preto e Branco, de Gary Ross, Sin City destaca sobre a fotografia em preto e branco alguns objetos, ou parte dos personagens com cores vivas. Em O Selvagem da Motocicleta, o personagem de Mickey Rourke não consegue distinguir cores, a não ser a dos peixes azulados no aquário. Em A Lista de Schindler, Spielberg destaca, no meio do holocausto, a garotinha de vestido vermelho. Em A Vida em Preto e Branco, à medida que os personagens adquirem emoções, eles vão se tornando coloridos. Sin City utiliza o mesmo efeito para dar emoção aos olhos dos personagens, ou enfatizar o sangue derramado, ou ainda, tornar personagens mais grotescos.

O Filme

Sin City tem o seu roteiro assinado por Frank Miller. A filmagem das cenas foi feita seguindo os quadrinhos. Muitas delas reproduzem com perfeição os desenhos das revista. Os diálogos não ficam atrás. Todos eles foram retirados dos personagens, e se caracterizam por serem curtos. Há grande presença de monólogos. Os personagens são introspectivos e refletem sobre seus atos, sua condição miserável e situações irreversíveis.
O estilo do filme é influenciado pelo Noir—padrão de filme policial, predominante nas décadas de 30 e 40, em que o protagonista encontra-se desajustado no mundo, e envolve-se com a principal suspeita de um crime, gerando muito suspense. A fotografia em preto e branco ajuda, e o filme é tenso do início ao fim.
Em Sin City, não há personagem principal. O protagonista é a própria cidade, e todos estão condenados a ela, incapazes de ir embora ou escapar. É o verdadeiro inferno, onde todos pagam seus pecados. A única saída é a morte.
O filme começa com um episódio denominado “O Freguês tem sempre razão”, com Josh Harttnet, e serviu como protótipo para que Frank Miller cedesse os direitos de Sin City para a empreitada de Robert Rodriguez. É bastante curto, e logo é sucedido pelo próximo episódio, que tem a participação de Michael Madsen, Bruce Willis e Jessica Alba. Willis está muito bem como Hartigan, um dos poucos policiais honestos, que precisa superar sua deficiência cardíaca. Jessica Alba faz a linda Nancy, única amiga e motivação de Hartigan.
A segunda parte do filme conta a história de Marv, um brutamontes, que procura vingar uma prostituta com quem passou a noite. É um pesonagem carente de sentimentos, que faz da violência as suas palavras. Marv é interpretado convincentemente por Mickey Rourke, que está irreconhecível devido à pesada maquiagem. Também participam Jaime King, como a prostituta Goldie, Rutger Hauer, como Cardeal Roak e Elijah Wood, como um garoto antropófago. É o trecho do filme de maior ação, e os personagens aparentam ser sobrenaturais.
A terceira história é a de Dwight ( o ótimo Clive Owen), o esquizofrênico aventureiro que se envolve com uma garçonete ( Brittany Murphy), e tem de se livrar do namorado dela, o policial Jackie Boy (Benicio del Toro), uma figura excêntrica e inconsequente. O trecho é recheado de reviravoltas, prostitutas sexys e violência. Inquietante é o personagem de Clive Owen conversando com o já morto Jackie Boy.
Embora tenha muitas sequências de ação e violência, Sin City é um filme tenso, que mantém o clima de suspense. A violência e os combates saguinolentos passam dos limites em alguns momentos (como a cena em que Hartigan arranca os testículos do oponente). Há muitas cenas fortes, e os episódios são sérios e coerentes. Não é direcionado para todo tipo de público.
O filme vale por sua originalidade, e conta com boas atuações num roteiro bem adaptado e fotografia bem dirigida. Marcará época, e influenciará gerações.

4 Comments:

At 9:16 AM, Anonymous Dudu said...

Fala Reginaldo! O seu blog tá muito massa. Não comentei sobre sin city porque ainda não vi. Vc fala tudo que está por trás do filme, desde a fotografia até peculiaridades dos diretores e suas tendências e influências. Tô doido pra que você poste sobre algum filme que eu vi pra discutirmos. Parabens mermão. O site tá massa! Faloou

 
At 11:15 PM, Anonymous estefânia said...

eu gostei muito de sin city. a fotografia é perfeita, com destaque para o jogo de cores e o enquadramento típicos de quadrinho. esse filme é a melhor adaptação para quadrinhos q eu já vi. virei fão de frank miller, fã de robert rodriguez e eu já era fã de tarantino. ah, meu personagem preferido é o marv :P. legal o blog! beijo!

 
At 11:01 PM, Anonymous Walter said...

Ainda não assisti Sin City, mas estou bastante curioso...ainda mais depois do que vc escreveu. Velho seu blog tá massa, parabéns aí!!!

 
At 11:07 PM, Anonymous isabela sanjuan said...

o filme é ótimo..mto original (apesar de ser um pco violento :P)..vale a pena assistir..a descrição do filme tá ótima tb..:)

 

Postar um comentário

<< Home